África do Sul

Desde que o embargo comercial imposto aos produtos sul-africanos atingiu seu objectivo de acabar com o governo de apartheid em 1991, a África do Sul tem conseguido atrair interesse para os seus vinhos. Inicialmente os vinhos resumiam-se a grosseiros Pinotage, "brutos" Cabernet Sauvignon e fracos Chenin Blanc.

Hoje a situação é muito mais positiva. Os recentes lançamentos são mais frescos, mais aromáticos e muito concentrados e os melhores produtores já competem à altura em concursos internacionais.

A casta Chardonnay é predominante, produzindo vinhos muito equilibrados que estão entre os de aromas minerais dos franceses da Borgonha e os de estilo marcante da Austrália e Califórnia. A uva mais plantada é a Chenin Blanc, localmente conhecida como Steen. A Sauvignon Blanc, quando não passa por barricas, mostra toda sua tipicidade e os aromas frutados com acento tropical.

A marca registada da África do Sul é o tinto Pinotage, uma uva que surgiu em 1925 a partir do cruzamento entre Pinot Noir e Cinsault, que era conhecida naquela época como Hermitage. A união não só das uvas, mas dos seus nomes criou o PINOT-AGE. O seu aroma muito característico costuma exibir notas de amêndoas tostadas no final de boca. Os melhores produtores conseguem elaborar vinhos poderosos, com longevidade e de aromas e sabores de pequenas frutas pretas.

Topo
 
 
Copyright - Loja Gourmet | Optimizado para 1024x768 IE7+ FF3+ | Termos e condições de utilização e privacidade